Ser também o que é alheio. Resenha de Menelau e os Homens, por Saulo Dourado

Frederic_Remington_-_A_New_Year_on_the_Cimarron_-_Google_Art_Project

              A new year in the cimarron. Óleo sobre tela de Frederic Remington.

Clique no trecho e leia a resenha completa que o  Blog de Literatura do iBahia publicou sobre Menelau e os homens (Casarão do Verbo, 2012)

A noção de tempo nas letras é outra e, mesmo quase um ano após o lançamento de um livro, um exemplar pode a nós aparecer como a mais absoluta novidade. É o caso para mim de Menelau e os homens (Casarão do Verbo, 2012), de Dênisson Padilha Filho, autor que acompanho por publicações em jornais e internet, sem antes ter-me sentado com um dos seus impressos, já o terceiro na lista que começou em 1999. Este agora que é composto por duas novelas e possui uma atmosférica imagem de cavalos na capa é mais uma manifestação do fascínio máximo do autor, a percorrer literatura e trabalhos acadêmicos seus: os solos do coração do vaqueiro. Nas duas narrativas, homens de rosto firme e pernas separadas por um lombo de cavalo percorrem seus enfrentamentos. E o nosso, enquanto leitor, coloca-se inicialmente pela questão: como sentir o mesmo que vaqueiros se eu não fizer ideia de como é ser um ou se não partilho dos mesmos elementos de realidade?

Saulo Dourado é escritor e professor. Ensina filosofia e publica contos em periódicos e portais. Venceu dois prêmios literários e um edital de criação. Também se envolve com materiais didáticos e com a coleta de provas para os casos que conta, os quais jura ter testemunhado.

Anúncios

Assembleia Literatura entrevista o escritor Dênisson Padilha Filho

Assista à entrevista completa AQUI.

Fluidez sem quebras

“…Em Menelau e os homens (Casarão do Verbo, 2012) estão reunidas grandes virtudes para que o livro se torne uma leitura altamente indicável para os amigos: texto bem escrito, personagens cativantes e uma inteligente e ímpar abordagem sobre a natureza humana. Ou desumana, como o próprio livro nos lembra” (Mariana Paiva, ATarde, 27.08.2012).

O vaqueiro Moisés

O sol, em todas as manhãs daquela quadra do ano, custava a varar a cerração pesada que recaía sobre a galharia seca do baixio, quadrante esquecido pelas chuvas, ao menos durante boa parte do ano. Tudo por quanto pudesse um homem assentar suas vistas era estático e infinitamente mordaz e, àquela hora, somente uma criatura se movia naquela penumbra devoluta de caatinga e carrascais pedregosos. O vaqueiro do Sítio do Calumbi. Seu cavalo, que dormira na manga logo detrás da casa, já atado ao mourão do curral, o acompanhava com os olhos. Assentia com mansidão o colocar da manta e da sela sobre si. Moisés, o vaqueiro, arrastando suas botinas velhas, ao tempo em que entrava no pequeno cômodo e saía com as peças do jaez de sua montaria, marcava, ora pelo chão de lajota, ora pela soleira da porta, ora pelo chão do terreiro, uma cadência monótona de sola e esporas. Única e primeira música das alvoradas da sequidão friorenta do baixio do Rio de Contas.

Colocou Moisés o peso sobre o estribo do seu cavalo ruço e saiu encourado e imponente. O cavalo, a pisar sutilmente e sem alarde, rumava com seu cavaleiro para dentro da galharia espinhenta. Moviam-se discretos, para não acordar o mundo.

A foto foi daqui.