90 DIAS DE UM MUNDO MAIS CINZA

Desde que ele fez a viagem fico me perguntando, onde será que está? Defendo a ideia de que está por aí, fazendo folia nas estrelas, rindo alto, bonachão que era. Talvez cantando e convidando cada partícula de poeira cósmica pra cantar com ele. Ou, quem sabe,  pela Via Láctea convocando as criancinhas, “aprendendo com elas”,   como costumava dizer.

Só sei que em meio a tantas elucubrações,  fiquei e ficamos aqui, nós outros, órfãos, deserdados das alegrias do ipê-amarelo mais vivo, festeiro e criativo que a música brasileira já teve.

90 dias sem Dércio Marques;  e o que ficou foi um mundo mais cinza. A afirmação pode parecer derrotista, mas é o que sinto. Volta e meia vem de lá, do fundo, uma saudade doída que só ela.

Resta seguir… aguardar o dia em que, em sonho ou não, serei surpreendido com mais uma chegada furtiva desse menestrel maior, rindo alto, emendando canções e mitigando nossa dor…